quinta-feira, 14 de junho de 2012

A ORIGEM DO CROCHET


A origem do crochê



A origem do crochê é incerta; ignoramos se ela é chinesa (descoberta pela rota da seda), peruana, tunisiana, egípcia ou dinamarquesa. Mas os primeiros trabalhos conhecidos como crochê remontam ao fim da Idade Média. Nesse período, religiosas ensinavam a técnica às jovens de famílias nobres; com o crescimento e a evolução dessa prática manual,o crochê tornou-se o passatempo predileto das damas da corte da Itália,da Espanha e da França.

Mary Cassat - Lydia Crocheting in the Garden at Marly
Na Renascença e durante a época de Luís XIV a técnica se aprimorou, assim como a qualidade dos trabalhos. A Revolução Francesa propiciou indiretamente a difusão do crochê para todos os países da Europa (Irlanda, Inglaterra, e países nórdicos) graças às famílias nobres que ali se exilaram, levando consigo esse conhecimento. Mas o apogeu do crochê acontece na Irlanda do século 19, época na qual se transformou numa verdadeira indústria artesanal.
Com efeito, após a Grande Fome de 1846, dizem que a madre superiora de um convento daquele país pediu às irmãs que ensinassem a técnica às mulheres do povo, a fim de que pudessem trabalhar sem sair de casa. Essa iniciativa teve um sucesso fabuloso, e assim surgiram as guipures da Irlanda, fabricadas à mão em Dublin e Belfast, e exportadas para o mundo inteiro, particularmente para a Inglaterra vitoriana. Essa renda servia para ornamentar roupas e a lingerie da corte, e com ela também se produziam pequenos objetos para os salões dos palácios.

William Adolphe Bouguereau - The Knitting Girl
Na França crescia igualmente o interesse pelo crochê, mas o trabalho feito à mão é progressivamente substituído pela produção industrial. A técnica, que anteriormente passava de geração em geração, numa tradição que unia transmissão do conhecimento de forma oral e manual, passou a ser objeto de livros, nos quais se publicavam os pontos básicos seguidos de inúmeros projetos e modelos.
Assim, Mademoisellle Riego de La Blanchardière, depois de ter ensinado a técnica do crochê à corte da Rainha Vitória, publicou a primeira revista sobre o assunto: The Needle. A moda do crochê mudou no fim do período vitoriano, nos anos 1890. Já na era eduardiana, a renda crochetada teve seu ápice entre os anos 10 e 20 do século passado, apresentando texturas e pontos mais elaborados.  As cores fortes cederam lugar ao branco e aos tons pálidos, exceção feita apenas quando a técnica surgia em bolsas. Nesse caso somavam-se fios de sedas multicoloridas e miçangas.
Após a Primeira Guerra Mundial, surgem poucos modelos de crochê em sua maioria versões simplificadas daqueles que fizeram sucesso no início do século 20. Terminada a Segunda Guerra Mundial, os últimos anos da década de 40 até o início dos anos 60, há um ressurgimento da técnica, agora direcionada ao artesanato decorativo. Fazendo uso de fios coloridos e encorpados, surgiam tapetes, descansos de travessas, pegadores de panela etc…
Nos anos 70 popularizaram-se os grandes quadrados multicoloridos de crochê, que os hippies usaram num sem número de aplicações. Hoje ele reina sobre os objetos decorativos e ganhou enorme expressão nas passarelas da moda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário